segunda-feira, agosto 10

Devaneios .

Sua respiração é como um afago em meu corpo. Esse meu estado de fantasia ou mesmo "loucura", é como quando o mundo real se confunde com a minha imaginação, meus desejos profundos tomam conta de mim. Estão presentes nos meus dias frios, que é quando eu sinto a falta. Essa manifestação do meu subconsciente, são os meus sonhos loucos, quando ainda estou acordada. As vontades que sinto, os sonhos que fantasio, passam como um flashback dos momentos que eu vivo. Momentos esses que me deixam em um estado de frenesi completo, me pego em meio eles, sentindo cada toque, cada suspiro, esperando cada ensejo que a vida poderá me proporcionar.  Meu anseio pela realização desses devaneios, me causa medo. Medo esse que todos sentimos.  Me pergunto se vale a pena me desgastar, a ponto de não realizar nem se quer 1/3 desses meus sonhos. Mas de que valeria essa vida que temos sem ao menos arriscarmos a sentir, sentimentos imediatos, ou  sentimentos a longo prazo ?let it be.

quinta-feira, abril 16

Complexo de Cinderela

Feminismo :)


Fomos criadas acreditando que seríamos parte de alguma outra pessoa. Que seríamos protegidas, sustentadas, alimentadas pela felicidade conjugal até o dia de nossa morte. (Pág 11) 
Débeis : fraco

Ignóbeis: falta de nobreza , pobre 


Aleija : 

Então, foram contra nosso sonho de infância da vida protegida , e disseram que éramos livres de escolhas que a liberdade era melhor que segurança .
Mas logo descobrimos que a liberdade assusta .
ela nos Ta possibilidades que não nós achamos preparadas, e com isso viria novas exigências : que crescemos que paremos de querer criar figuras mais fortes , homens . 
A liberdade requer que nos tornemos autênticas e fiéis para conosco. 
Ai onde site a dificuldade, quando não mais basta, sermos " uma boa esposa, boa filha ou boa aluna ". Pois ao iniciar o processo de separar essa figura mais forte, descobrimos que : " realmente não tenho quaisquer convicções próprias. Realmente não sei no que acredito " 
Então também nos perguntamos : 
" porque é que, tendo a chance de crescer, tendemos a recuar?" Porque as mulheres não estão acostumadas a enfrentar o medo e ultrapassá-lo . 
 O fato é que fomos treinadas para a dependência, não para a liberdade . 
(Pág 12)

Aprendi que existe uma ligação entre a tendência feminina a domesticidade e aqueles devaneios sobre infância que parecem repousar logo abaixo de nosso consciente. O fator subjacente é a dependência: a necessidade de apoiar-nos  alguém ou, mais repressivamente, de sermos alimentadas, cuidadas e preservadas de males . 
Qualquer mulher que se auto análise sabe quão destreinada foi para sentir-se confiante perante a ideia de cuidar de si própria, afirmar-se como pessoa e defender-se . 
Podemos sair de casa, trabalhar, viajar, podemos até ganhar muito dinheiro. Podemos nos aventurar a viver por nossa conta por algum tempo . 
(Pág 13)


Conclusão : 
Nós mulheres crescemos acreditando  na vida perfeita , onde o dominante é o homem, onde somos cuidadas e alimentadas por eles. Acreditam que a melhor maneira de se estar segura, e tendo esta figura ao nosso lado . 



O colapso da ambição ; 

Cansada de estarmos sozinhas, procuramos refúgio, em quem nos trás segurança , ou seja o homem , construímos então nossa rotina domiciliar, esquecemos de nós mesmas, e começamos a tratar como prioridade a vida do outro.ate que chegamos a um beco sem saída . 
"Sem nem um adeus, nos refugiamos no papel tradicional da mulher: o de ajudante , secretaria, copista. Datilografando dos sonhos de outrem"
(Pág 15 e 16 ) 

Fugindo da luta : 

Logo então a nossa linda imagem de segurança, começa a questionar nossos meios de sobrevivência, ou seja, eles passam a enfatizar que somos dependentes dele . Que somos um peso, um fardo para que eles carreguem, ainda assim muitas de nós mulheres, também temos nossas bagagens, e apenas com o dominante, trabalhando, somos submissas a eles, passamos então a pedir permissões, para realizar tarefas que nos dão prazer, como : 
Uma roupa, um cabelo arrumado, um enfeite para casa . Buscamos então outros recurso, a autora buscou a "reciclagem" , para conseguir suas satisfações de prazer independente . Claro que consciente, de que se deixou levar por mero "costume" . Sabendo que estava influenciando em seu relacionamento, tendo como pensamento de que o To de não estar realizando nenhum trabalho profissional começou a corroer sua auto estima .(pág 18)